Preço Especial

Cabeça Cida Lima PP

R$120,00

R$89,00

26% OFF
5x de R$17,80 sem juros

Cabeça de barro feita pela artista Cida Lima

Tamanho aproximado: 14cm de altura x 9cm diâmetro

Origem: Belo Jardim - PE

História: Cida nasceu em Belo Jardim, na zona rural de Pernambuco. Como filha de louceiros, desde criança ela vive a preparação do barro e aprendeu a produzir cerâmica cabocla, junto à sua avó que lhe transmitiu sua experiência e sabedoria na moldagem e o avô, que mesmo cego amassava o barro e trabalhava na produção de utensílios como panelas, travessas, pratos e potes.

A chamada louça de caboclo, técnica herdada dos saberes indígenas, é toda moldada à mão e não faz uso do torno, depois vem a secagem, que pode demorar uma semana até as peças ficarem completamente secas. Daí vão para o forno e a queima dura cerca de três horas, com a pena de galinha são produzidos desenhos e a pintura é feita com a argila tauá.

A vida era dura, o trabalho muito e a produção não era valorizada.

Cida cresceu produzindo louças que eram vendidas na cidade, para onde ia com sua avó com as peças na cabeça para fazer o comércio. A menina cresceu, casou, teve quatro filhos e mesmo com toda a dedicação, a produção cerâmica não garantia o sustento da família.

Até que em 2005 chegou um projeto na região, o Estado de Arte 1 , com a artista plástica Ana Veloso que ao conhecer o trabalho de Cida, começou a comprar sua produção e através do projeto ela foi estimulada a criar novas peças, a criar uma nova abordagem na moldagem do barro. Sua jornada seria igual a tantas outras não fosse o acaso de ter entrado em contato com Ana que a estimulou a buscar outras referências para a criação autoral, indo além das panelas e utilitários que fez a vida toda.

O pedido de criação de novas peças coincidiu com a encomenda de uma cabeça em cerâmica para pagar uma promessa, na ocasião o seu filho Jailson tinha 12 anos e foi ele quem fez a primeira cabeça para atender a demanda religiosa. De lá para cá a vida se transformou, foi este lampejo de criação que deu origem à sua peça mais desejada e que hoje faz a produção familiar criar as Cabeças de Cida Lima.

Ao participar da 12ª Fenearte, em 2011, Cida viu seu trabalho valorizado e pela primeira vez se reconheceu como artesã de verdade, aos 43 anos. Depois de uma vida inteira de muita luta e perseverança, seu trabalho foi exaltado e ela vendeu toda a produção na maior Feira de Artesanato da América Latina. Hoje ela segue trabalhando junto aos filhos e sabe que com eles o seu legado vai seguir adiante. Para ela “antes o trabalho no barro não tinha futuro, agora tem” e está feliz pelo reconhecimento e por ter seu trabalho espalhado pelo mundo afora.

Cida Lima é reconhecida como mestra artesã pelo PAB - Programa de Artesanato Brasileiro.